terça-feira, 11 de abril de 2017

HUMANS (2015/2016) A série


Se o ano de 2016 trouxe algo de bom no meio de tanta tragédia, foi um novo foco às produções de ficção científica. Com a apresentação da terceira temporada de "Black Mirror" e a estréia de "West World" encabeçando o seguimento, o Sci-fi conquistou mais e mais fãs dia após dia nesse último ano; Porém, o término das temporadas dessas duas séries, deixou um vazio na vida de quem vinha se acostumando aos conceitos e surpresas apresentados por elas. No entanto, longe dos grupos de debates sobre as teorias que envolvem essas séries tão cultuadas, existem outras obras, de qualidade semelhante, mas bem menos vistas, que podem agradar e surpreender muita gente, além de ocupar aquele espaço vago que as histórias contadas por Charlie Brooker e Jonathan Nolan deixaram no inicio desse ano.

Uma dessas obras, que me prendeu no sofá, sem piscar durante os dezesseis episódios das suas duas temporadas, me fazendo sair por aí a indicando aos quatro ventos logo depois, foi uma série inglesa que, tal qual as duas séries citadas acima, também fala sobre tecnologia e tomada de consciência pelas máquinas, mas conseguindo ir muito além, ao abordar as consequências na sociedade ao ocorrer o surgimento dessas consciências e, de quebra, fazer um paralelo com diversas situações enfrentadas no mundo atual. Trata-se de "Humans", série inglesa criada por Sam Vincent e Jonathan Brackley, exibida pela Channel 4 e AMC, baseada na série Sueca "Real Humans", que parece que ninguém assiste, mas que merece e DEVE ser vista por todo mundo já.



"Humans" se passa em uma realidade paralela, onde a utilização de androides (sintéticos) para serviços domésticos e de ajuda pessoal, se tornou usual. Nesse universo encontramos Joe, um pai de três filhos que se vê perdido entre as tarefas de casa e do emprego, quando sua esposa Laura se ausenta a trabalho. Pressionado pelas tarefas, Joe decide comprar um sintético para ajuda-lo a organizar sua vida enquanto a esposa não retorna, o que ele não sabe é que a sintética batizada de Anitta por sua filha mais nova, se chama na verdade Mia e pertence a um pequeno grupo de androides que poderão revolucionar o mundo, por serem as primeiras máquinas conscientes e que, tanto Joe, quanto sua família, irão testemunhar da primeira fila todas as transformações que a revelação da existência de maquinas pensantes causará na sociedade.

OK!! Minha sinopse não ajuda a cativar ninguém a ver a série, mas se eu posso me desculpar pela falta de inspiração ao descrever o contexto da série, é dizendo que nem se eu escrevesse um post inteiro falando apenas do que se trata "Humans" eu conseguiria falar sobre tudo que a série questiona e aborda, então o mais interessante, acredito, será eu falar sobre todos os pormenores que chamaram a atenção dentro da história.



Para começar, a trama traz uma questão que vem se tornando cada vez mais presente nas produções cinematográficas, que é a singularidade, aquele momento em que as máquinas tomarão consciência de que são indivíduos ou entidades, com pontos de vista, ideias e personalidade, fato que é destaque não só em "Westworld", mas no ótimo "Ex-machina", entre diversas outras produções, mas na história de "Humans" , não é o ponto alto da trama, mas sim o ponto de partida para toda a discussão que surge na série. Assim, em um mundo onde os androides estão presentes em todo lugar, mas são tratados como coisas, o surgimento de alguns que pensem, questionem e ajam como humanos, traz a dúvida de se o fato os torna humanos? Se eles devem ter direitos e deveres como tais? Quem fala por eles e quais os limites que esses sintéticos devem ter? Essas são algumas de muitas as perguntas que a trama já nos traz de início e que norteiam a história em meio a uma enxurrada de acontecimentos e diversos personagens interessantes.

Quanto aos personagens, a produção consegue entregar indivíduos que são a representação de todo tipo de personalidade e a faceta de um argumento em si, e não só isso, como apresentar um elenco diverso e bem explorado, que consegue mostrar desde os traços étnicos dos androides a revolução que eles representam. Essa diversidade étnica que aparece nos sintéticos conscientes do inicio da série (onde temos uma asiática, dois negros e uma loira), parece, além de sinalizar a ideia de diversidade humana, traçar um paralelo mesmo com a questão dos imigrantes ao colocar como personagens centrais da discussão, atores com traços não tão comuns dentro das produções clássicas inglesas, essa fato ainda é reforçado, quando somos apresentados aos problemas sociais decorrentes da utilização desses androides, como a substituição de pessoas por máquinas em postos de trabalho, não só pela sua melhor eficiência, mas como pelo seu menor custo, o que cria grupos de resistência que se intitulam "humanos de verdade" e buscam a reversão do status social daquele universo, não muito diferente dos grupos que apontam para a entrada de pessoas não nascidas em determinados centros, como o fator responsável por todos problemas sociais existentes em uma localidade.

Esse problema social criado pela existência dos sintéticos nesse universo, vai além da tomada dos empregos. A própria evolução dessas máquinas, causa temor aos jovens, que se frustram ao perceberem que pode não haver expectativa de um futuro bem sucedido dentro de qualquer área de interesse, ao perceberem que em alguns anos, os androides estarão tão aperfeiçoados, que poderão efetuar qualquer função e com um desempenho maior do que qualquer humano; somando-se a esse problema do primeiro arco, a segunda temporada ainda nos apresenta um grupo de adolescentes que, em resposta a frustração dos outros, se veste e age como os sintéticos, pois perceberam a vantagem que as máquinas tem ao não se frustrarem, sentirem medo, não precisarem tomar decisões sozinhas ou se questionarem; de encontro a isso, temos as máquinas conscientes buscando desfrutarem seus direitos de "pessoas", assim como seus deveres e até mesmo pensando em suicídio frente ao amargo de uma vida social com decisões e dúvidas; tais questões surgem em seguidos debates que tornam "Humans" ainda mais complexa e reflexiva do que a grande maioria das séries atuais.

Complementando esses problemas sociais mais amplos, "Humans" aborda questões ainda mais pessoais, como o caso da utilização dos sintéticos para satisfação sexual, o que nos é apresentado como algo aceitável, ao nos mostrar os androides como máquinas, mas que nos faz questionar se aquilo tudo é correto quando nos faz ver toda situação de humilhação através dos olhos de duas personagens sintéticas obrigadas a desempenhar esse papel, mesmo tendo consciência e ego idênticos aos dos humanos. Em resposta a isso, temos humanos que são trocados por androides, pelo fato desses últimos serem programados para satisfazerem todos seus desejos e dar a eles toda atenção possível sem distrações.

Além de tudo, a série ainda traz muitas referências a filosofia e aos clássicos de ficção científica, além de menção aos grandes autores do gênero Sci-fi, como quando é falado que o suposto assassinato executado por um sintético, fere as leis Asimov, sem contar que toda linha que a produção segue, remete ao questionamento que foi, em parte, base para a criação de todo universo de Philip K. Dick, de que se algo pensa e age como um humano, é humano? O que nos torna humanos? Em uma adaptação mais simples do "penso, logo existo" de Descartes, que, a propósito, aparece em um poster ao fundo na série, e não apenas uma vez.

Mas nem tudo é exatamente perfeito na série e algumas coisas me desagradaram. A principal, foi a substituição do antagonista da primeira temporada, que surge na segunda apenas para vender seus segredos ao novo "vilão", e desaparece, como se todas as situações que o levaram até ali, e as quais eram de seu interesse pessoal, simplesmente tivessem deixado de ser importantes para ele e isso eu achei uma grande falha de constância no roteiro. A segunda coisa é o desaparecimento de alguns personagens e o sub-aproveitamento de outros, como no caso do androide Fred ( um dos sintéticos conscientes originais), que mal aparece na primeira temporada e some na segunda e o sintético ultrapassado Odi, que tem todo um potencial e razão para estar dentro de um arco na primeira temporada, nos faz questionar muitas coisas na segunda e deixa a série (aparentemente) sem nos apresentar as respostas e ações que poderia dar. Essas duas questões me incomodaram, mas como nada na vida é perfeito, seguimos aproveitando o que há de bom e deixando de lado o que fica mal explicado.

Apesar de um detalhe ou outro, "Humans" ficou marcado para mim, como o grande achado do início desse ano (mesmo a série ter estreado em 2015). Sua trama complexa e os paralelos que podemos traçar através de sua história, são um elemento poderoso e que nos leva a reflexão, não só ao pensar em uma sociedade como a mostrada na trama de Sam Vincent e Jonathan Brackley, como nas situações presentes em nosso cotidiano. Serve para, além de saciar a saudade de séries mais prestigiadas, enriquecer quem é fã de ficção científica de conceitos e questionamentos, nem sempre bem abordados nessas outras séries. Espero que todos assistam e se divirtam bastante, enquanto a mim, fico na torcida que a terceira temporada chegue logo, fica a dica.





segunda-feira, 3 de abril de 2017

UMA HISTÓRIA DE AMOR REAL E SUPERTRISTE - de Gary Shteyngart


Estamos vivendo tempos estranhos. Dias de verdades alternativas e ignorância histórica, onde a promessa da construção de muros que dividirão os escolhidos dos condenados é aplaudida de pé por grande parte da população, onde quem se impõem através de uma propaganda violenta é chamado de "mito" e o diferente se tornou errado e inimigo, e, isso tudo acontece enquanto as pessoas estão absortas em seus celulares e compartilhando suas vidas através de redes sociais, ignorando o rumo do mundo e os perigos do que podem estar por vir. Estamos a um passo de uma distopia e em dias como estes, obras que conversem com o momento da sociedade e nos apresentem uma ideia de onde o próximo passo pode nos levar são de extrema importância.

Foi buscando uma obra que espelhasse o que vivemos, que me deparei com um livro muito pouco comentado, mas que me ganhou desde suas primeiras linhas, me apresentando um universo distópico tão real e assustador quanto fantástico. Estou falando de "Uma história de amor real e supertriste" de Gary Shteyngart, publicada no Brasil pela editora Rocco, que além de reafirmar minha paixão por distopias, me passou a ideia de que o futuro de uma sociedade consumista e vaidosa, pode ser ainda mais amargo e vazio do que imaginamos.


Capa da Edição da Rocco
"Uma história de amor real e supertriste" se passa em um futuro próximo, onde os EUA estão vivendo os piores de seus dias, vítimas de uma crise econômica e política que foi intensificada com um fracasso militar na Venezuela, o que colocou o país em um cenário de caos, postes de crédito ornamentam as ruas, registrando os dados dos "Apparats" (equipamentos que todos possuem e que servem para mandar mensagens, como identificação e acesso a dados pessoais) e em que pessoas de baixo patrimônio ficam a mercê do estado e veteranos de guerra não recebem suas pensões, sendo obrigados a ocupar o Central park na procura de abrigo, manifestações eclodem em toda parte e são contidas com violência pelo exército de segurança nacional, o braço armado do partido "bi-partidário", a última lembrança dos tempos de democracia, a economia é baseada na moeda chinesa, que comanda o FMI e as grande empresas são todas fatias de enormes conglomerados financeiros.
Nesse mundo, que parece mais crível do que distante, encontramos Lenny Abramov, um novaiorquino de 39 anos, filho único de imigrantes russos, possível último fã de literatura e escritor de um diário, que trabalha para uma multinacional na divisão de serviços Pós-humanos, oferecendo imortalidade a pessoas de alto nível social e financeiro. A procura de clientes ele á mandado para Itália, onde acaba conhecendo Eunice Park, uma vaidosa e orgulhosa jovem, descendente de Coreanos por quem se apaixona perdidamente. No entanto, com o fracasso em convencer os ricos europeus em participar dos projetos de seu empregador, Lenny se vê obrigado a retornar a Nova York e a realidade de seu país, mas sem esquecer Eunice, a convida para vir morar com ele, resta agora ao pertenço casal, tentar se entender e adaptar-se, não só ao mundo em sua volta que desmorona frente a violência e ignorância, mas um ao outro, tão diferentes pela origem, idade e pontos de vista.



Como disse acima, o livro me ganhou em suas primeiras páginas, sei que é suspeito vindo de uma pessoa que se confessa fã de ficção científica e distopias sempre que tem oportunidade, mas o fato é que "Uma história de amor real e supertriste" mexeu comigo por apresentar um cenário assustador, personagens profundos e com motivações bem claras e conseguir dar atenção tanto ao mundo catastrófico que serve de palco para a história, quanto nos passar a evolução desses mesmos personagens no decorrer da leitura, seguindo a cartilha da boa ficção científica que está além da apresentação de tecnologias ou especulação de um futuro, mas na apresentação do impacto que todas as mudanças que podem ocorrer no mundo, podem causar na vida das pessoas e isso, esse livro faz com qualidade.

Um fator que achei importante no livro, e que conecta ainda mais o leitor a história, é o fato desta ser escrita em primeira pessoa, apresentando os pontos de vista do casal em capítulos que se alternam entre o diário de Lenny, que escreve para desabafar e se planejar, e, as mensagens de Eunice no "Globalteens" a rede social da época, que teima em dar dicas sobre como agradar os garotos e frisar que fotos e vídeos são mais interessantes do que textos. Esse clima íntimo nos coloca como cúmplices de seus pecados e frustrações, revelando também o choque de gerações que existe entre ambos, ele mais velho quase quinze anos, barrigudo e ficando careca, totalmente fora dos padrões de beleza e estilo vigentes em uma sociedade toda voltada para os jovens e seus hábitos fitness, e ela, o retrato de sua geração, extremamente magra, irônica e consumista, não desgrudando de seu "Apparat", por onde faz compras, conversa com amigos e família, faz "Streams" e ranquei as pessoas que a cercam por seus níveis de beleza, sensualidade e "fodabilidade", mas ambos demonstrando, através de seus depoimentos, o peso de se viver em uma sociedade vazia de valores e voltada para a aparência.

Essa mesma sociedade, que serve como pano de fundo da história de amor de Lenny e Eunice, é a parte mais fantástica do livro. O vazio e amargo futuro imaginado por Shteyngart, consegue ser original, extremamente real e ao mesmo tempo homenagear os clássicos sem os imitar, nos entregando uma sociedade que é um amalgama das duas distopias mais famosas de todos os tempos, "1984" e "Admirável mundo novo", com o tempero ácido dos dias de hoje, onde temos tanques nas ruas, violência do estado, pessoas vistas como descartáveis, ao mesmo tempo em que a sociedade é alienadas em seu mundo de prazer virtual, ignorando a cultura mais crítica e em especial a literatura (chegando a dizer que livros fedem e que é preferível que não se tenha contato) e o sexo é algo tão banalizado que a protagonista chega a fazer menção a uma amiga sobre uma atriz pornô que elas assistiam quando estavam no jardim de infância!! Uma mistura pontual entre repressão violenta e descaso total presentes separadamente nos dois clássicos, fatos que são somados à dependência pelas mídias sociais e tecnologias, tão presente em nosso cotidiano e que no livro é personifica no onipresente Apparat, o elemento que desempenha um papel de destaque por pautar o estilo de vida das pessoas e as ranqueando dentro da sociedade.

Gary Shteyngart
Esse "Aparat", que representa a evolução da forma atual de nossa própria sociedade interagir, parece demonstrar a qualidade e impacto da história contada pelo autor dentro da própria cultura pop, ao lembrar bastante o modo de utilização do aparelho visto no primeiro episódio da terceira temporada da aclamada série "BlackMirror", onde temos uma sociedade tão vaidosa e vazia como a presente no livro de Gary Shteyngar, que embora não sofra dos mesmos problemas sociais (pelo menos, não dentro do arco que o episódio mostra) também é toda baseada na ideia que o próximo tem de cada um e no ranking de seus cidadãos para o crescimento social.

Somado ao onipresente Apparat, Shteyngart ainda imagina uma divisão empresarial que entrega aos poucos cidadãos de alto nível financeiro a possibilidade de viver para sempre, através da utilização de nano robôs, dentre outras coisas, que manipulam a saúde dos clientes da "Wapachung", empresa de Joshie Goldmann, patrão de Lenny e que por principio age de encontro a toda situação em que se encontra a grande maioria da população, que luta para sobreviver, em um mundo onde a escassez é a lei e quem não possui dinheiro tem de se esconder dos postes de crédito para não correr o risco de ser deportado ou mesmo morto, frisando assim o egocentrismo e falta de empatia presente naquele mundo.


Os motivos para se ler "Uma história de amor real e supertriste " são muitos; sua narrativa cúmplice, seu universo deprimente e extremamente real e seus personagens bem explorados, tudo parece colaborar para que a obra de Gary Shteyngar seja muito mais do só mais um livro na estante, mas como eu disse no inicio, o que me fez encontrar esse livro é o fato de que ele reflete com intensidade o momento atual de nosso mundo e isso o torna extremamente relevante para todos, que assim como eu, enxergam nuvens negras se aproximando no horizonte.




quinta-feira, 9 de março de 2017

LOGAN (2017)



Empolgado pela ação, angustiado pela trama, chocado pelas revelações, emocionado pelos momentos finais e triste pela despedida. Esse mix de sentimentos, foi o que senti ao sair da sala de cinema depois de assistir ao filme mais aguardo por mim (e por qualquer outro fã dos X-men) no ano de 2017, "LOGAN", o terceiro filme do mutante canadense mais querido da Marvel e que abriu a temporada de filmes de super-heróis com chave de ouro e garras de adamantium.

"Logan" se passa em 2029 e mostra um futuro onde James "Logan" Howlett, outrora conhecido como Wolverine, trabalha como um discreto e amargurado motorista de limusine no sul dos estados unidos, seus poderes estão falhando devido a idade e ele se revesa com o mutante Caliban para tomar conta do nonagenário professor Charles Xavier que sofre de alzheimer.
Os X-men já não existem mais e não há indícios do nascimento de mutantes a pelo menos vinte e cinco anos, sendo a raça dada como extinta. Mas no meio de um trabalho, Logan é reconhecido e acaba descobrindo uma menina com poderes semelhantes aos seus e aceitando o apelo da acompanhante da menina (ou ao dinheiro que esta lhe oferece) aceita atravessar o país para leva-las, no que a acompanhante da menina acredita ser, o último lugar seguro para os poucos mutantes que restaram, o Éden.
Mas como nada é fácil para um sujeito nascido no século XIX, que foi vítima de experiências do governo, teve suas memórias apagadas e viu sua raça desaparecer, a menina, chamada Laura, que também atende pelo registro x-23, está sendo perseguida por uma organização que a vê como posse e que mandou em seu encalço um grupo de mercenários conhecidos como carniceiros.
Restará a Logan atravessar os Estados Unidos com o professor X e a menina na esperança de que o Éden seja real e que eles possam fugir de todos os erros e tragédias ocorridos no passado, em uma viagem que poderá ser a derradeira para esses últimos mutantes conhecidos.

Humano
Meus amigos, que filmaço!! Denso, dramático, humano (ou mutante) , tem toda a profundidade que todos os filmes anteriores do Wolverine (somados) não conseguiam ter, e isso me faz feliz, pois tivemos uma despedida digna do interprete do personagem, o ator Hugh Jackman, em um filme que fez justiça tanto a ele, quanto ao mutante mais famoso das HQ's, tão mal tratado em "X-men Origens" e "Wolverine imortal", mas ao mesmo tempo a competência desse filme me incomoda, não por ele em si, mas pelo fato disso não ter sido feito antes é só acontecer devido ao retorno positivo obtido com o filme do "Deadpool" um ano antes.

A FOX teve que aprender com "Deadpool", que não é necessário efeitos mirabolantes ou roteiros que explicam cada fala, para ganhar dinheiro e agradar os fãs, pois foi necessário o sucesso do filme do mercenário tagarela para o estúdio dar liberdade aos roteiristas e diretores de criar livremente e só assim se colocar no mesmo nível que a Marvel studios (porque sim, esse filme está no mesmo nível de Capitão América 2), isso fica claro, quando percebemos que o diretor de "Logan", James Mangold, é o mesmo de "Wolverine Imortal", nos mostrando quanta porcaria os produtores nos fazem engolir. Claro que não podemos generalizar, pois os filmes dirigidos por Bryan Singer ainda são mais do mesmo, piorando a cada vez que ele dá seu toque autoral, mas agora que sabemos que temos Tim Miller e James Mangold por aí, acho que já está na hora do diretor de "X-men" de 2001, partir para outra.

Mas voltando ao Filme, confesso que a primeira coisa que fiquei preocupado foi quando soube que a trama seria baseada em "Old Logan", a graphic novel escrita por Mark Millar, pois a história lançada em 2008 utilizava todos personagens da Marvel, para contar sobre um futuro distópico onde os vilões venceram e um Wolverine derrotado e apático busca sustentar sua família e fugir de em segredo terrível, o que não seria possível acontecer no cinema, pois os personagens da Marvel são propriedades da Marvel Studios e os X-men, da FOX, mas com muita criatividade e talento, o roteiro entregou uma solução tão aterradora e triste, quanto o segredo que o personagem guarda na HQ de 2008 e que conforme vai se revelando justifica uma série de coisas, culminando em uma cena, protagonizada pelo debilitado professor Xavier, que é uma das partes mais tocantes do filme.

Tocante
Um dos grandes destaques da produção e que demonstra a qualidade do roteiro é o fato dele referenciar fatos ocorridos em outros filmes onde o personagem participou, para esclarecer que a história faz parte do mesmo universo. Assim, temos conversas entre Logan e o professor X, que remetem a luta entre X-men e a irmandade mutante em "X-men" O filme, menção à vacina anti-mutante de "X-men: O confronto final", a bala de adamantiun usada pelo Coronel Stricker em "X-men Origens: Wolverine" e mais algumas pequenas citações que vão costurando a trama e a prendendo naquele mundo onde Logan viveu sua vida, agregando tanto a trama dessa produção, quanto acrescentando mais credibilidade aos filmes anteriores, por pior que alguns tenham sido.

Ainda falando de referências, a história parece trazer muita inspiração de outros filmes com uma temática "road movie". De forma mais clara me vem a mente "Mad Max: Fury Road", devido as intensas perseguições de carro e dos antagonistas com protesesn bizarras e artilharia pesada, sem falar do cenário desértico e isolado onde o protagonista vive escondido com seus poucos amigos; mas a questão de a trama tratar da missão de alguém, que parece ter desistido, de proteger quem ele acredita ser um dos últimos de sua espécie até um lugar seguro e que talvez nem exista, me fez pensar muito no filme "Filhos da esperança" de 2006, ainda mais quando temos a cena final do protagonista.

Outra coisa que, não só eu, mas todos os fãs do Carcaju sempre sentiram falta, foi a violência e selvageria naturais do personagem e que o cinema nos privou desde o primeiro filme dos "X-men" e esse desejo foi saciado com força. O filme é um banho de sangue onde não faltam braços decepados, decapitações, gargantas cortadas, mas tudo isso exatamente dentro do contexto do personagem onde nada é de graça ou apenas para agradar, com o aditivo do carisma e fúria da personagem X-23, a silenciosa e expressiva mutante, interpretada por Dafne Keen.

Violento
X-23, além de trazer mais sentimento e humanidade a história, pois ignorando seus poderes, não passa de uma criança em perigo, é a protagonista de diversas cenas fenomenais e divertidas que dão destaque a coadjuvante, um fato que era um dos problemas principais que eu tinha com os outros filmes do Wolverine, onde TODOS outros personagens tinham que ser diminuídos para que apenas o protagonista chamasse a atenção, assim fazendo aquele absurdo de selar a boca do Deadpool em "X-men Origens" e transformando o Samurai de prata em um robô em "Wolverine Imortal", além de cometerem o absurdo de matar o Ciclope em "X-men o confronto final" apenas para dar à Logan o título de líder dos X-men; erros que esse filme, muito mais maduro, mostrou serem desnecessários .


Pois bem, como já falei acima e repito: "Logan" é um filmaço. Um daqueles filmes que mesmo sendo uma adaptação bem diferente da ideia original da HQ, deixa os fãs extremamente felizes. Uma rara produção que eu não faço a mínima questão de dar spoilers porque quero que todos tenham o mesmo mix de sentimentos que eu tive ao sair do cinema. Um filme que fez justiça ao personagem e ao ator que dedicou mais de quinze anos de sua vida dando interpretando o herói no cinema e que superou minhas expectativas de quando assisti ao primeiro trailer e me emocionei. Nos resta agora esperar que a FOX siga esse caminho iniciado com "Deadpool" e tão bem direcionado com "LOGAN" e siga nos entregando filmes cada vez mais densos e humanos desse universo mutante que sempre foi tão rico e meu preferido.
Que venham, "DeadPool 2" e "Os novos Mutantes".







terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

HOWL IN SPACE - #zeroproductions_1


O que aconteceria se um sujeito com licantropia, ou seja, a maldição de se transformar em lobisomem fosse um astronauta parte de uma missão para ir à lua? A resposta para essa pergunta está no filme que nunca será produzido baseado no conto que nunca escrevi e que resenho abaixo, dando sinopse e indicando elenco, direção e produção.

Wagner Moura é Erick Mendes
O Ano é 2033 e a Terra se encontra com problemas energéticos. James Arkin Cane é um geólogo e médico inglês, que é recrutado pelo programa espacial conjunto entre seu país e a Nasa para participar da missão Selene-7, que se dirigirá até uma base na lua a fim de seguir os estudos para verificar a possibilidade da construção de uma usina autônoma de energia solar em nosso satélite natural.

Acompanhado de mais sete membros, entre eles a piloto sul coreana You-jim Bae, o engenheiro camaronês Arthur Ngacame Lupindo e o matemático e programador brasileiro Erick Mendes, James enfrentará uma viagem de quinze horas até chegar a seu destino e dar continuidade aos estudos que podem revolucionar a história de nosso planeta.

No entanto, o que nem mesmo o próprio James sabe é que ele é herdeiro de uma maldição terrível, que é passada de pai para filho e que se manifesta somente depois da morte de seu progenitor, o médico inglês é um lobisomem e seu pai que assistiu nervoso ao lançamento do foguete que levaria o filho até a lua, não resisti à emoção, vindo a falecer quando o filho vislumbrava o satélite de dentro da nave.

No meio da confusão e perplexidade, resta a tripulação buscar se proteger durante as seis horas de viagem que ainda restam no que parece ser um pesadelo ocorrendo dentro de uma nave que viaja a vinte e oito mil quilômetros por hora em direção ao que torna a criatura cada vez mais forte. A única esperança é alcançar a base, contatar a terra e juntando o conhecimento dos sobreviventes, conseguir uma forma de parar o monstro.


Sharlto Copley é James A. Cane
A direção do filme vai ficar aos cuidados do diretor Sul-africano Neill Blomkamp, por seu histórico de filmes de ficção científica que contém uma dose de gore e que carregam em si aquela falta de fé em um futuro brilhante e limpinho, o que ajudaria na criação da ideia visual de um mundo que precisa se esforçar para encontrar soluções para problemas como a falta de energia.

O diretor de fotografia seria Guilhermo Navarro, responsável por “Pacific Rim”, “Jackie Brown”, “O Labirinto do Fauno” e “Blade II”. O Cara sabe criar ângulos que favorecem a ação e ao mesmo tempo agregam na dramaticidade da cena e para um filme que vai ter de oscilar entre o detalhe do medo de cada personagem e quadros abertos que demonstrem a vastidão do espaço ninguém melhor que o cineasta mexicano.

A trilha sonora, deveria ser composta misturando o estilo moderno de Ramin Djawadi e a clássica de John Williams (não me perguntem como, é só uma ideia). Com o primeiro teríamos o compasso da ação, do mesmo modo que ele fez com “Pacific Rim” e com o segundo a parte épica da imensidão espacial.

Gemma Chan é a capitã You-jim Bae

Nos papéis principais teríamos uma constelação de atores multiétnicos que além de mostrar a cara de um novo mundo, globalizado e cooperativo, embora caótico do futuro, ainda deixariam um recado ao público mostrando que diversidade é importante:

No papel do amaldiçoado médico e geólogo James A. Cane, eu escolho o ator Sul-Africano Sharlto Copley. Além do cara estar em todos os filmes do diretor Blomkamp (e que certamente seria exigência do mesmo) o ator tem uma cara estranha típica das histórias de lobisomem contadas no interior e na cultura brasileira (minha homenagem ao interior das terras tupiniquins), sem contar que sua expressão facial e gritos, presentes em todos os filmes onde o ator teve falas, são o que a produção precisa para chamar a atenção desde os trailers.

Como a Piloto You-jim Bae, minha indicação vai para a triz inglesa Gemma Chan, não só pelos traços orientais , mas pelo trabalho na série “Humans”, que me conquistou do mesma forma que a série da AMC e pela beleza não tão comum nos blockbusters.

Djimon Hounsou é Arthur Ngacame
O papel do Engenheiro Camaronês Arthur Ngacame Lupindo, ficaria reservado ao ator Djimon Hounsou, que além da experiência, tem o talento e a força para dar a gravidade que o filme necessita para não ser uma produção trash, embora toda a trama tenha o tempero de trash que faria o projeto divertido.

E como o Programador brasileiro, indico o ator Baiano Wagner Moura, que ganhou o papel graças a sua notoriedade nos E.U.A em produções como "Narcos", além de já ter trabalhado anteriormente com o diretor Neill Blomkamp em “Elisium” o que facilitaria no andamento da produção. 

Pensei em chamar o filme de “Lunar”, mas lembrei de que já havia um filme de ficção científica com esse nome, então pensei em “moonligth”, o que faria referencia à lua e a luz (já que a tripulação tem por objetivo buscar energia através da lua), mas me disseram que alguém já usou e ganhou um prêmio importante com um filme com esse nome, assim cogitei algo como “Space Wolf”, mas além de brega , me pareceu muito parecido com “space Ghost”, então vou ter de usar algo mais anos oitenta e acho que vou chamar o filme de “HOWL IN SPACE” que tem muito a ver com a trama.

Como todo filme dos anos oitenta, ele deverá ter um subtítulo e sendo um terror no espaço, pensei em colocar:  “No espaço ninguém pode ouvir você gritar”, mas esse também já usaram, então deixarei sem subtítulo e no lugar vou surpreender o público com um trailer que unirá suspense e intensidade, fazendo o público torcer para o verão americano chegar mais cedo.
 Então está aí, a ideia, o roteiro, elenco, direção e responsáveis pela trilha sonora. Agora só fico no aguardo da oportunidade de entregar isso nas mãos de um figurão dos estúdios americanos e sentar e ver a grana pingando na minha conta.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

"THEY LIVE" (Eles Vivem) - 1988 #zerocult 5




O ano de 2017 vem sendo marcado por uma constatação fantástica: Voltamos no tempo! É só olhar o noticiário ou correr os olhos pelas timelines das rede sociais e as provas vão ser atiradas em nossas caras; é caça aos comunistas, ultra nacionalismo ganhando força, luta contra os direitos humanos, inflação, desemprego, extremismo religioso, em fim, parece que retrocedemos, pelo menos, trinta anos e vivemos agora em uma realidade focada na ignorância, onde a maioria serve de massa de manobra para um pequeno grupo.

Talvez eu esteja sendo pessimista com o ano, afinal ele apenas começou e nem passamos do carnaval, mas eu, que sou fã de distopias, penso que estamos as portas de uma e tenho plena convicção de que tudo que anda acontecendo no mundo, daria uma boa base para o roteiro de um filme de ficção científica. Só que tem um problema, esse filme já foi feito e para se somar as estranhezas desse ano, foi filmado a exatos trinta anos. Trata-se de "They Live" (ou, "Eles vivem"), um dos clássicos dirigido pelo mestre do terror e ficção científica oitentista John Carpenter e que revendo hoje, me parece estar mais para um documentário do que para um filme.

Obedeça
"They live" conta a história de George Nada, um andarilho que transita pelos Estados unidos a procura de uma vida melhor. Em uma dessas viagens ele desembarca em uma grande cidade onde se emprega na construção civil e consegue abrigo em uma comunidade apoiada por uma igreja. Desconfiado dos movimentos noturnos dessa igreja, Nada, resolve investigar e se depara com uma misteriosa reunião e com um laboratório e, vendo diversas caixas fechadas, resolve furtar uma, descobrindo depois que se tratavam de óculo escuros. Sem saber como conseguir lucro com o que pegou na igreja, ele pega um óculos para si, fato que mudará para sempre seu ponto de vista em relação ao mundo.

Os óculos fabricados na igreja, mostram ao protagonista uma verdade que ele não tinha acesso a olhos nus, onde propagandas em outdoors e matérias inteiras de revistas são substituídas por simples ordens que mandam "reproduzir", "consumir" e "obedecer", no dinheiro se vê a frase "esse é seu Deus" e até o semáforo da rua emite a frase "durma" repetidamente para quem anda por ali. Para finalizar, George ainda descobre que ao usar os óculos, algumas pessoas se apresentam como figuras assustadoras, com o rosto de uma caveira azul e olhos prateados, fatos que o levam a perceber, depois que se envolve em muitas confusões, que a terra foi invadida por uma raça de alienígenas, que se infiltrou e tomou o poder para si, transformando os humanos em uma massa de manobra e mão de obra hipnotizada e, que a única maneira de se livrar do julgo dos invasores é se juntar a pequena resistência que ele havia espionado na igreja. Mas como uma resistência, composta por meia dúzia de pessoas desacreditadas, poderá enfrentar quem comanda o planeta inteiro e nem mesmo é percebido?

Eu sou muito suspeito para falar de qualquer filme de John carpenter, de quem já me declarei fã inúmeras vezes. O cara deu a cara ao cinema de terror moderno através de clássicos como "Halloween" (1978), "O enigma de outro mundo" (1982), "À beira da Loucura" (1994) entre outros, mas tenho de dizer que "Eles vivem" se coloca para mim um degrau acima devido ao fato de seu flerte com a ficção científica e a mensagem de questionamento que o autor tenta passar ao espectador, assim como os conceitos e a maneira visual tremendamente original que o diretor opta por utilizar para transmitir as ideias do filme.

Consuma
A critica social que o filme traz em suas entrelinhas é apresentada no exato momento que percebemos que o protagonista tem o sugestivo nome de "Nada", fato o que vem a somar a trama, se relacionando tanto ao poder do mesmo frente ao inimigo que enfrenta, quanto ao sentimento dos trabalhadores americanos dentro do contexto histórico que passava os Estados Unidos quando o filme foi produzido. Vale lembrar que nos meados dos anos oitenta, os E.U.A ainda sofriam com a crise do Petróleo e que sua industria automotiva vinha perdendo espaço para a Japonesa, fatores que geraram desemprego e desesperança , o que é demonstrado de forma semelhante em outros filmes, como na comédia "Fábrica de loucuras" (1986) de Ron Howard, onde uma montadora americana é fechada e um funcionário vai até Tóquio buscar auxilio da industria japonesa, mostrando a crise no cenário americano, ou "Robocop" de 1988, onde o cineasta Paul Verhoeven utiliza uma ideia pessimista para mostrar uma Detroit, outrora símbolo da industrialização, como uma cidade pobre, violenta e perdida, tal qual a cidade onde nosso protagonista desembarca com o sonho de dias melhores, mas que só lhe apresenta recusas, miséria e força bruta, como se ele realmente, nada fosse.

Essa desumanização, que no filme é apresentada de maneira muito sutil, ao nomear o protagonista de Nada, faz um paralelo extremamente importante com a questão da distopia e o momento que vivemos hoje. Da mesma forma que no filme, hoje existe a influência por não dar rostos e vozes à grupos de pessoas que pensam diferente de nós e nossas bolhas sociais, apagando seu individualismo e os relegando a massa, como se todos que pensam diferentes de nós tivessem os mesmos desejos e pontos de vista; meros números que não somam aos nossos interesses, fato semelhante que ocorre em distopias, como "1984", ou "Uma história de amor real e super triste" e que vemos quase diariamente na internet, quando manifestações por melhorias ou buscando direitos, são rechaçadas com violência e comemoradas por quem pensa de forma diferente.

Eu vim aqui pra mascar chicletes e chutar traseiros...
Outra coisa que é bacana e original para a época, é o fato dos vilões, serem os típicos representantes do "sonho americano". Em uma época onde a guerra fria ainda dava seus últimos suspiros, colocar o bem sucedido cidadão americano como o responsável pela degradação da sociedade, mesmo que afirmando que o grosso destes eram alienígenas, era algo quase impensável no cinema, mas é exatamente o que Carpenter faz, ao mostrar através das mensagens subliminares que o protagonista descobre através de seus óculos, que o poder dos extraterrestres vem do consumismo e da futilidade que se tornaram o objetivo final da raça humana, algo que ia totalmente no sentido oposto as mensagens passadas pela maioria dos filmes de ação da época, que apresentavam inimigos comunistas que tinham por objetivo destruir a sociedade perfeita americana, uma olhadinha em "Rocky IV" exemplifica exatamente o que estou dizendo.

O fato de os extraterrestres serem as pessoas que dominam o planeta financeiramente e por isso manipulam os seres humanos através dos desejos e não da força, também fala muito sobre os dias atuais. Em uma sociedade que vem se baseando na satisfação pelo consumo e buscando uma felicidade que só tem valor quando é aplaudida pelos outros, utilizar de força bruta é desperdício de energia, quando se pode induzir as pessoas a desejar ter tudo que se diz que é bom. Dessa forma, o filme apresenta um cartaz com uma bela Praia e, ao colocar os óculos, o protagonista lê apenas consuma, e, aquela viagem passa a ser o objetivo das pessoas que passam por ali, da mesma forma que hoje, ao colocar-se propagandas na TV de celulares da última geração, ou do "carro do ano" buscar conseguir esses itens, será o objetivo de vida de quem se encontra distraído em frente ao televisor, sem perceber que ele foi reduzido de pessoa, para um simples consumidor angustiado e, muitas vezes, frustrado.

Esse é seu Deus
Esse desconforto com o que a vida vem se tornando e a crítica social que John Carpenter faz ao mundo que estava surgindo, é o fato que mais me fascina nesse filme. A ideia de que poucos são sustentados por muitos e que estes, hipnotizados por televisores e a promessa de um amanhã melhor, defendem uma minoria abastada como uma massa de manobra sonolenta, que ignora a verdade que está na frente de todos, mas que ninguém está olhando de verdade, pois estão entorpecidos por sonhos e cores brilhantes, quando na verdade o mundo se apresenta em distintos tons de preto e branco, onde se gritam palavras de ordem que são obedecidas sem o mínimo questionamento.

Case e se reproduza
No entanto, o diretor não nega que muitos daqueles que são chamados de povo, também possuem seu quinhão de culpa, até porque ninguém se torna opressor, sem um pouco da ajuda dos próprios oprimidos. Assim temos alguns personagens, que mesmo em posição de servidão, optam por ajudar os invasores, na esperança de partilhar com eles do poder e riqueza que estes ostentam; como o personagem que passa toda primeira parte da trama assistindo TV e reclamando de dores de cabeça quando a transmissão dos aliens é interrompida pelo sinal da resistência, acabando por se mostrar um colaborador e, possivelmente, informante dos invasores no final do filme.

Personagens como estes são recorrentes em distopias. Em "Matrix" temos Cypher, que busca um acordo com as máquinas para ter a vantagem de voltar para a matriz, em "1984" temos o vizinho de Smith, que mesmo fora dos padrões do partido apoia tudo que este faz, se sentindo orgulhos até em seus derradeiros momentos, quando seus filhos o delatam; gente assim vem ganhando espaço casa vez maior em nosso mundo, buscando vantagem e apoiando cegamente os interesses de quem acreditam poder acompanhar no crescimento, não percebendo que são reles números servido de escada para alguns privilegiados.


Por toda sua crítica a uma sociedade que vem se tornando cada vez mais consumista e menos racional, além da diversão que proporciona, "They Live" é um filme obrigatório para quem é fã de ficção científica, distopias ou apenas sente um desconforto com os movimentos extremos que vem cada dia mais ganhando força. Um filme que, além de divertir com um toque de teoria da conspiração, ainda nos mostra que tudo nessa nossa sociedade é cíclico e beneficia alguém, mesmo as crises e épocas difíceis. Uma obra prima de John Carpenter em sua melhor forma que, fora os ET's, beira ao documentarismo. Então se você se sente desconfortável, oprimido, hipnotizado, ou mesmo se tem uma esperança crescente em se dar bem na vida com base nas propagandas de TV, ou mesmo quem não sente nada e quer ver uma trama oitentista, que mistura luta livre, alienígenas e teoria da conspiração, assista a esse filme e te garanto que será como ver o mundo através de uma lente da verdade.


Trailer:



 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A ILHA DO DR. MOREAU - H.G Wells


Meu gosto por ficção científica nasceu da vontade de enxergar através da visão dos outros como poderia ser o futuro, por esse motivo, sempre preferi autores que me entregassem mundos que fossem uma evolução do nosso em algum sentido, seja introduzindo a inteligência artificial como algo normal e corriqueiro, seja nos apresentando uma sociedade dividida em grupos, ou mesmo mostrando aonde os absurdos que o extremismo pode acabar nos levando. Mas nesse meu desejo de olhar para frente, acabei dando pouca atenção para obras de escritores que foram responsáveis por, além de fundamentar o gênero e inspirar muitas outras histórias e produções, falar diretamente com seu tempo e mostrar pioneirismo em utilizar muitos conceitos abordados até hoje. Um desses autores, foi H.G Wells, a mente criativa responsável por obras como "A máquina do tempo", "O Homem invisível", "A guerra dos mundos" e "A ilha do Dr.Moreau", livro de 1896, que li recentemente e que me surpreendeu por abordar, além das questões relativas a ciência da época, muito sobre ética, religião e filosofia, reabrindo meus olhos sobre a necessidade de se conhecer os clássicos.

"A ilha do Dr. Moreau" conta a história de Prendick, um náufrago sobrevivente do navio Senhora Altiva, que é resgatado em auto mar e levado, pelo médico Montgomery, que alugava a embarcação que o salvou para transportar animais, para uma ilha vulcânica no pacífico. Nessa Ilha, ele conhece o Dr. Moreau, um cientista que usa o lugar como laboratório de suas misteriosas experiências. Conforme os dias vão passando, todo mistério presente naquela porção de terra isolada vai se esclarecendo e Prendick descobre que Moreau e Montgomery, na busca por humanizar animais, utilizando experiências de Vivissecção e hipnose, criaram uma assustadora sociedade de seres disformes, meio homens e meio animais, com leis e religião própria. Mas será que os esforços dos cientistas serão o bastante para que os homens-animais consigam ignorar sua natureza inata?




Quando comecei a ler o livro tinha a sensação de que a história tinha pouco de novidade, como se eu já tivesse encontrado tudo que o autor queria me passar em outras obras, sem perceber que essa sensação era originada justamente da influência de H.G Wells na cultura pop. Isso me veio a mente ao lembrar que meu primeiro contato com esse livro, foi a adaptação para o cinema lançada em 1996, exatamente cem anos após a primeira publicação da história, sendo que esta foi a terceira produção áudio-visual baseada na obra, antes foram lançados outro filme homônimo em 1977 e "A ilha das almas selvagens", em 1932; só após perceber isso e buscar ler o livro com olhos da época, assim compreendendo que o que o escritor entregava era algo original e pioneiro, pude apreciar toda criatividade e visão do autor, mergulhando em um universo que, mesmo datado no que tange a muito que ele aborda como ciência (a final, o livro tem mais de 120 anos), apresenta conceitos presentes até hoje na ficção e discussões sociais interessantes que deixam claro porque Wells se tornou um dos maiores nomes da ficção científica da história.

Homem-Leopardo (filme de 1996)
O que mais chamou minha atenção no livro foi a questão social que a história aborda. A obra trás todo um paralelo impossível de se ignorar sobre a ideia de superioridade que muitos povos, no decorrer dos tempos, acreditavam possuir, assim como a violência de se impor os costumes e ideais sobre quem se encontra sob o julgo destes povos. Os homens animais que vivem na ilha, são forçados a ignorar sua natureza, cumprindo regras impostas que não lhes permitem caçar ou consumir carne, andar de quatro patas e não sugar a água com a língua, em resumo, eles não podem ser o que são por contrariarem as ideias que Moroe tem de sociedade, mesmo o doutor e seu associado representando uma minoria na ilha e sendo eles próprios desprezados pela sociedade que usam como base por ignorar a ética em suas experiências, uma evidente representação da opressão colonizadora européia do século XIX. O próprio choque com os costumes e aparência dos nativos da ilha, que se torna frequente na narrativa do protagonista, corrobora para a visão de superioridade social que parece ser parodiada diretamente do contexto histórico inglês, sociedade a qual o escritor pertencia e que na época da publicação do livro, se encontrava dominando lugares tidos como exóticos, como a índia e Hong-kong, onde impunham suas maneiras,cultura e mesmo a religião.

Falando em religião, o uso da mesma como ferramenta de dominação é outra parte muito interessante da trama. Na história, o autor traz como regulador dos desejos e instintos da sociedade da ilha uma série de leis que, somadas a superioridade intelectual e de personalidade dos cientistas, atuam como uma religião para os homens animais, impondo limites a seus instintos primitivos mesmo quando as criaturas se encontram longe dos olhos de seus criadores e fornecendo a esses, status de deuses imortais e de poderes absolutos de vida e de morte dentro daquela sociedade, sendo, ao grupo das criaturas, reservado o destino de servos e escravos passivos, temerosos de um castigo proveniente de qualquer deslize.

A hiena entre outros (filme de 1996)
Um fato que não me agradou muito no livro é a forma descritiva que o autor faz de todos pormenores que o protogonista encontra na ilha. Fora os animais humanizados, que são o tema central da trama e que refletem as experiências nada éticas do cientista que tem seu nome estampado no título do livro, descrever todos detalhes da ilha, incluindo como se forma sua costa, o tipo de terreno e vegetação, parece uma forma de enxerto para estender a história e por vezes isso cansa; essa forma detalhista era bastante utilizada em muitos textos da época e até um pouco depois, como visto em "Senhor dos anéis", onde Tolkien chega a falar do formatos das folhas das árvores, mas , embora não prejudique a leitura em si, ou atrapalhe a reflexão sobre o tema central, quebra bastante o ritmo de quem está acostumado as dinâmicas tramas modernas.

No entanto, mesmo com uma variação no ritmo, "A ilha do Dr. Moreau" se apresenta como um livro obrigatório para quem é fã de ficção científica, do mesmo modo que toda obra de Wells. Consegue se sustentar e entregar uma história divertida e por vezes assustadora, onde, embora pareça datada por utilizar conceitos de ciência biológicas do século XIX, é bastante atual quando trata de ciências sociais, batendo em pontos que até hoje são abordados, como opressão cultural, o poder da religião e a ética científica. Uma aula de como utilizar a ficção para desconstruir a sociedade onde vivemos, me fez reabrir os olhos para os clássicos e perceber que não há visão de futuro, se não observarmos com certa reverência o passado que o moldou.





sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

DEAD SET - Quando Big Brother bom é Big Brother morto


Quando assisto a TV aberta, a maioria dos programas e notícias me faz pensar que a humanidade regrediu para um estado de bestialidade. As novelas, que mesmo piegas, procuravam abordar temas relacionados a coisas positivas, trazendo alguma lição de moral, hoje, ultrapassaram o tom de cinza de seus personagens, apresentam temas mais escuros, repletas de vilões, que muitas vezes não chegam a ser punidos por seus crimes, confessando ou não, ao final da trama, no máximo um pouco de arrependimento e só; Os tele jornais se tornaram verdadeiros noticiários de terror, utilizando o sofrimento e medo como escada para alcançar a audiência; e mesmo os programas infantis que povoavam as manhãs, sucumbiram as novas tendências sendo substituídos por shows que falam sobre a aparência "perfeita" e a pseudocultura do corpo e felicidade eterna, em resumo, estamos vivendo a era da superficialidade e nada reflete mais isso, do que o entretenimento televisivo que nos acompanha anualmente a quase vinte anos, os reality shows.

Os Realitys são programas que mostram a reação de pessoas comuns quando colocadas em situações extremas, ou pelo menos, deveriam mostrar. No Brasil, o primeiro a surgir foi "No limite", onde um grupo de pessoas era largado em um lugar desabitado, tendo de passar por diversas adversidades para conseguir comida, sendo desafiados durante dias pela natureza e pela quebra de rotina, o programa era baseado no "Suvivor" americano e tinha a superação física como principal chamariz, mas sua vida na TV brasileira durou relativamente pouco e com menos de cinco temporadas o programa foi cancelado. A Tendência atual são os programas de culinária, como "Cozinha sob pressão" e "Master chef", que disputam a cada temporada a atenção dos curiosos para saber quem se sai vitorioso em meio a tortura psicológica e o assédio moral proporcionado pelos Chefs e juízes, em um retrato distorcido do que é o profissionalismo e produtividade. Mas, embora as novas tendências arrematem cada vez mais fãs, ninguém ainda conseguiu superar a longevidade e alcance do reality mais popular de todos os tempos e que nesse ano completa dezessete edições, criando bordões, debates e sub-celebridades como nenhum outro programa jamais fez, trata-se do "Big Brother".


O programa "Big Brother" foi criado pela produtora de TV Holandesa Emdemol, com base na ideia de um dos sócios fundadores, John de Mol, que apresentou o projeto onde quinze pessoas ficavam confinadas em uma casa, sem acesso ao mundo exterior por qualquer forma e vigiadas vinte e quatro horas por dia, durante três meses, na busca de um prêmio, sendo o convívio o maior adversário que os estranhos poderiam ter na busca dessa conquista. O nome do programa veio de como era conhecido o grande ditador do país continente "Oceania" no livro 1984 de George Orwell, que, por meio de equipamentos chamados tele-telas, presentes nas casas de todos habitantes do país, vigiava a todos, os mantendo como cativos livres. O programa foi realizado em diversos países, como no Brasil onde estreou em 2002 e virou febre desde então, já na Inglaterra, país adotado por Orwell e que serve de cenário para trama de seu livro mais famoso, o reality teve seu primeiro episódio transmitido em 2000 e as reações não foram muito diferentes do que em nossas terras tropicais. No entanto, parece que os ingleses perceberam muito antes de nós para onde todo aquele show de falsa realidade estava apontando e da mente brilhante de Charlie Brooker (ele mesmo, o criador de Black Mirror) estreava em outubro de 2008, “Dead Set” uma das críticas mais bacanas que o programa já teve.

Os sobreviventes
“Dead set” é uma mini-série inglesa, transmitida originalmente pelo canal E4 e gira em torno de Kelly, uma assistente de produção da casa do Big Brother que no 64° dia de transmissão do programa e durante a votação de um paredão se vê em meio de um apocalipse Zumbi que devasta a Inglaterra, terminando por chegar até as portas da emissora de TV. Com muita sorte, Kelly consegue se salvar ao se refugiar no único lugar totalmente seguro que sobra, a casa do Big Brother e tendo de mostrar de forma prática aos participantes que sua presença na casa não é mais uma prova e o que ela diz é verdade. Enquanto isso, Riq, o namorado de Kelly se encontra do outro lado da cidade e parte em sua direção sem saber o que encontrará nas ruas, Já o diretor do programa, Patrick, junto com a última eliminada se encontram presos em uma sala cercada por zumbis, resta agora que os sobreviventes se reúnam para buscar entender o que está acontecendo e como eles podem escapar da casa mais vigiada do reino unido.



O plot da série é bem simples e lendo a sinopse “Dead set” pode se passar por mais uma série de zumbis genérica, mas na verdade a produção inglesa de cinco episódios é muito mais que isso, é um retrato de nosso tempo e de nosso rumo como sociedade.
Baseando os personagens dos participantes em participantes reais, a série vai nos apresentando estereótipos que o próprio programa popularizou, como o mulherengo escroto, a gostosa fútil, a vaidosa burra, o pseudo-intelectual, o marrento e por aí vai, todos fazendo menção a participantes reais, mas também representando um pouco da personalidade de quem assiste e se identifica, mas a produção dá um passo além, quando mostra o mundo da produção do programa, que se apresenta tão baixo quanto o show que produzem. Lá temos o Patrick, que é o diretor e produtor, que age com extrema grosseria com todos, é arrogante, relaxado e egoísta; até mesmo Kelly, a protagonista, é apresentada como um personagem com camadas de cinza, buscando destaque no meio onde trabalha e traindo o namorado com um colega da produção e o próprio ambiente onde ambos trabalham é cheio de inveja, descaso e pretensão, mostrando que o programa é o que é porque é  reflexo de uma sociedade vazia.

Essa crítica social é representada não só pelos personagens que aparecem dentro da casa ou pelos membros da produção, mas também pelos zumbis. Em Dead Set, os zumbis tem uma relevância muito maior do que na maioria das produções desse gênero de filmes, pois na série os zumbis somos nós, a sociedade. O zumbi é o cara comum anestesiado frente ao entretenimento mais raso, reduzido a bestialidade sem pensamento que apenas corre em direção a quem faz mais barulho, com a diferença que na série a ideia de consumir conteúdo fica no sentido gastronômico.

Além de todo peso da critica social e de uma grande quantidade de tripas ao longo dos seus cinco episódios, “Dead Set” ainda consegue referenciar o pai dos filmes de Zumbis, George Romero, em momentos como quando um dos participantes, debochando do que Kelly diz ao chegar na casa, brinca com sua namorada dizendo “vou te pegar barbará” , sendo que esse é o nome da mulher que foge para se abrigar em uma casa aparentemente abandonada na versão de 1968 de “A noite dos mortos vivos” do diretor americano. Do mesmo modo, a personalidade de Patrick, o diretor do programa também lembra muito a de Harry, o outro personagem do filme original de Romero que não mede esforços e usa quem precisa para sobreviver.

Mas de todas as coisas bacanas que “Dead Set” tem o que eu acho impressionante é o fato da série ter sido transmitida originalmente no canal E4, um dos canais que transmitia o Big Brother UK, e não só isso, a própria apresentadora original do programa no país, Davina McCall faz uma participação como ela mesma zumbificada, um deboche típico do humor inglês, que junto com a crítica social passada pelo criador, deve ter trazido bastante dinheiro aos cofres da emissora, mas que mesmo assim surpreende bastante.

É por essas e outras que considero “Dead Set” uma série obrigatória. Misturando critica social, humor e terror a produção se antecipou oito anos à TV brasileira, que fez algo superficialmente parecido quando lançou “Supermax” em 2016, sem passar uma mensagem parecida e obter a mesma resposta da critica e público. Dead Set é uma série que nos faz pensar no que estamos nos tornando, quando valorizamos apenas a aparência, quando parecemos não pensar e corremos trás de tragédias ou entretenimento vazio na TV ou em qualquer outro lugar, então não perca tempo e assista “Dead set” seja por ser fã do gênero, seja por ser fã de Charlie Brooker ou simplesmente para se divertir, mas seja rápido, pois a zumbificação já  começou e não há para onde correr.